goncin@wordpress.com:~$ _

Linux, programação e toda sorte de nerdices

Simulando um dock com um painel do GNOME

Eu era feliz com o Docky. Até que veio o Ubuntu 10.04, e, na versão de 64 bits do nosso amado sistema operacional, o Docky tornou-se muito instável, encerrando com erro ao clicar sobre um ícone com o botão secundário do mouse.

O Docky me era útil como um repositório de lançadores, sem ocupar espaço na tela, mas sempre à mão. Sem conseguir me adaptar com nenhum outro dock (cada qual tem lá o seu defeito), acabei por me virar transformando meu painel superior do GNOME num pseudodock, se é que posso chamá-lo assim. Para tanto, fiz o seguinte:

  • Transferi a Área de Notificação, o relógio e a Sessão do miniaplicativo indicador para o painel inferior, de modo que sobrassem no painel superior apenas os lançadores;
  • Ajustei as seguintes propriedades do painel superior (clique com o botão secundário do mouse > Propriedades):
    • Tamanho: 24 pixels;
    • Desmarquei “Expandir”;
    • Marquei “Ocultar automaticamente”;
    • Na aba “Plano de fundo”, optei por “Cor sólida”, e, em “Estilo”, deixei-o totalmente transparente.
Meu 'pseudodock', feito a partir de um painel do GNOME

Meu 'pseudodock', feito a partir de um painel do GNOME

Ocultando-se automaticamente, a barra não me toma espaço da tela. Não sendo expansível, ela ocupa apenas o centro da parte superior da tela, quando o cursor do mouse se aproxima daquela região, sem o risco de acionar a barra quando apenas se quer fechar uma janela clicando sobre o ícone aproprioado em um dos cantos da janela. E fica ainda mais interessante quando usada em conjunto com o Navegador de Aplicativos.

Sim, talvez eu seja muito low profile. Tudo bem. Mas é bacana poder personalizar a área de trabalho desta forma sem ter de instalar nada a mais. E pode ser uma solução para aqueles cujo hardware não suporta o Compiz, requerido pelas docks de verdade. 😉

Anúncios

7 Respostas para “Simulando um dock com um painel do GNOME

  1. Fabricio 09/06/2010 às 17\0523

    Muito boa a dica. Estava tentando achar uma solução para poder usar somente 1 painel e economizar espaço tirando os launchers e isso caiu certinho pra mim.

  2. Garrido 12/06/2010 às 11\1142

    Eu já tinha adotado essa solução também, depois de tentar vários “docks” que após algumas atualizações do sistema sempre começavam a apresentar erros e irregularidades no funcionamento. Esta solução só perde os efeitos “bacaninhas” (brilho, ícone “quicando”, rodando etc.), mas pelo menos é garantia de funcionar sem mais dores de cabeça.
    Quanto ao sentimento “low “profile”, eu também senti isso no começo, mas lembrei da máxima da “beleza da simplicidade”. Nossas soluções foram simples, eficientes e objetivas. Parabéns por compartilhar a dica!
    Um abraço!

    • Marcelo Soares 15/06/2010 às 11\1121

      “Garrido disse:
      12/06/2010 às 11h42
      Eu já tinha adotado essa solução também, depois de tentar vários “docks” que após algumas atualizações do sistema sempre começavam a apresentar erros e irregularidades no funcionamento. Esta solução só perde os efeitos “bacaninhas” (brilho, ícone “quicando”, rodando etc.), mas pelo menos é garantia de funcionar sem mais dores de cabeça.
      Quanto ao sentimento “low “profile”, eu também senti isso no começo, mas lembrei da máxima da “beleza da simplicidade”. Nossas soluções foram simples, eficientes e objetivas. Parabéns por compartilhar a dica!
      Um abraço!”

      Concordo plenamente com a citação acima do companheiro Garrido.

  3. Renato 15/06/2010 às 12\1219

    Muito boa a dica. Creio que aumentando os ícones a visualização fica melhor.
    Até.

  4. Olívio Farias 04/08/2010 às 09\0918

    Eu gostei da dica, já tinha usado ela antes…
    Mas o que mais me intrigou na captura de tela foi…
    Como que você conseguiu instalar o PS no Ubuntu? Venho tentando isso a meses heheheh…
    Estou cansado de ter que reiniciar o pc para trabalhar com design (com photoshop, fireworks e outros programas).
    Já me adaptei bem com inkscape, estou pegando o jeito com o Gimp, agora não consigo largar o fireworks e photoshop… FW até que consegui rodar no wine facilmente, agora o PS, puts… to levando taca hehehe…
    Conte como foi o “macete”! para você conseguir…
    Abraços

    • goncin 04/08/2010 às 09\0934

      Olívio,

      Rodar o Photoshop no Wine realmente é uma peripécia. Na época em que escrevi este post, até havia conseguido, a instabilidade acabou fazendo com que eu desistisse de utilizá-lo assim. Para não ficar reiniciando o micro toda hora, tenho uma versão do Windows instalada numa VirtualBox com o Photoshop instalado, e trabalho assim. Para coisas mais simples (cortar figuras, edição rápida de imagens) uso o GIMP.

      Obrigado pelos comentários!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: