goncin@wordpress.com:~$ _

Linux, programação e toda sorte de nerdices

Qual a linguagem mais importante para sua carreira?

PHP? Java? C#? C, C++? Ruby? VB.net? Um bom desenvolvedor domina pelo menos uma linguagem, e está de olho em outra, no mínimo. Em certo momento, todos nós já nos perguntamos: será que eu não estaria perdendo meu tempo e esforço com a linguagem X? E se eu partisse para a linguagem Y? Isso desagua, inevitavelmente, na pergunta que intitula este artigo.

Talvez eu os desaponte, mas ouso afirmar que a linguagem mais importante, nos planos profissional e pessoal, é – pasmem! – a língua portuguesa. A inculta, bela e esfarrapada última flor do Lácio. Nem a língua inglesa, cuja fluência é exigida em 11 em cada 10 cargos, de quaisquer áreas, é capaz de lhe sombrear a importância.

Quantas vezes já não pedimos para alguém nos fazer um favor, e ouvimos como resposta: “Tudo bem. Eu se viro!” No que compete a mim opinar, creio que de nada adianta saber todos os meandros e melindres de uma linguagem de programação (para web, por exemplo) e exibir um “Seje benvindo” na sua página pessoal. Talvez o sujeito esteja ancioso, pensando quiçá numa sertificação que ratifique sua nerdisse. Sabe terminar suas linhas de código com ponto e vírgula, mas ignora quando usar este sinal de pontuação numa frase.

Em tempos de Internet, blogs, Twitter e afins, o desmazelo pela língua evidencia-se ainda mais. Não me refiro a eventuais erros de digitação, ou, no caso do Twitter, de abreviações. Falo da mais pura e simples ignorância, mesmo. E, antes que me julguem, sim, também cometo erros. Procuro, contudo, me policiar e me corrigir em tempo hábil. E não maltratar ainda mais a pobre língua portuguesa que, como instrumento primário de comunicação, merece mais consideração.

Dominar a língua materna, enfim, pode fazer de nós melhores programadores. Noam Chomsky que o diga. 🙂

Anúncios

10 Respostas para “Qual a linguagem mais importante para sua carreira?

  1. Aline Bicudo 01/06/2010 às 09\0951

    Ótimo texto! Talvez este seja o primeiro que trate deste assunto que eu tenha lido em um blog de tecnologia.

    Antes de ser pós-graduada em Desenvolvimento Web sou graduada em Letras, acredite. Áreas tão distintas, mas que caminham lado a lado. Afinal, a Língua Materna é o início de todo e qualquer job.

    Imagine uma reunião com um cliente em que o desenvolvedor não saiba utilizar a Língua Portuguesa. Que credibilidade estará passando sobre seu trabalho?

    Infelizmente tenho deparado com muitas pessoas que, por estarem na área da tecnologia, acreditam que o importante mesmo é saber escrever somente linhas de código. Esquecem-se dos emails que enviarão aos clientes, dos eventuais comentários no código que auxiliarão numa manutenção futura, da exposição de uma ideia, da elaboração de um treinamento interno etc.

    Parabéns pelo texto e também pelo cuidado em manter correta a nossa Língua Materna. =)

    • goncin 01/06/2010 às 13\0103

      Aline,

      Pois então. Apesar de a minha primeira graduação ter sido em Ciência da Computação, sempre fui um sujeito mais afeito às humanas do que as exatas (o Cálculo Diferencial que o diga…). Isso é certamente preponderante nessa intolerância que tenho por erros de português – os meus, inclusive -, e me levou num segundo momento a cursar Direito.

      Unir áreas distintas (se bem que, com o olhar mais apurado, as diferenças vão se tornando menos evidentes) é um belo desafio, meus parabéns. Meu grande desejo é cursar um mestrado que alie Direito e Tecnologia. O maior óbice é encontrar um orientador que domine ambos os assuntos.

      Obrigado pelo comentário. 🙂

  2. Christiano Milfont 01/06/2010 às 10\1027

    Goncin, permita-me discordar da cerne do seu artigo.
    Eu não concordo que ser proficiente na língua pátria seja quisito “sine qua non” para tornar alguém mais capacitado em sua profissão, a não ser se a profissão dependa de boa escrita nessa linguagem, como no caso jornalismo.
    A língua é importante para comunicação, se você consegue se comunicar, então você atingiu o objetivo. Por isso saber inglês é importante para a vida, seja qual for a profissão, já que todo o conhecimento hoje é padronizado nessa linguagem, assim como foi em Latin no passado.
    No caso de Chomsky, ele é um especialista em linguística, então se você tivesse dito para estudarmos linguística [que vai além de linguagem] eu concordaria com a abordagem.
    Esse assunto gera uma boa discussão.

    • Christiano Milfont 01/06/2010 às 11\1127

      Por ironia, aonde eu escrevi “… seja quisito…”, substitua por “… seja requisito….” 🙂

    • goncin 01/06/2010 às 11\1128

      Christiano,

      Permita-me discordar da sua discordância. 😛

      Em momento algum afirmei que o conhecimento da língua materna torna alguém mais ou menos capacitado para o desenvolvimento de sistemas. A palavra chave do meu artigo é importância, e não capacitação. A forma como um desenvolvedor utiliza a língua portuguesa é tal qual um cartão de visitas, que pode lhe abrir ou fechar portas.

      Acho muito pouco o apenas “conseguir se comunicar”. Até os animais fazem isso. Comunicar-se bem, e corretamente, nem chega a ser diferencial, é pré-requisito para o que quer que façamos.

      Ao estudar a estrutura da língua natural – no nosso caso, a língua portuguesa – deparamo-nos com os mesmos elementos sintáticos presentes nas linguagens de computador, eis porque citei Chomsky.

      Num ponto concordo com você: esse assunto vai longe.

      Um abraço, e obrigado pelo comentário.

      • Christiano Milfont 01/06/2010 às 11\1153

        Permita-me uma tréplica 🙂

        “Em momento algum afirmei que o conhecimento da língua materna torna alguém mais ou menos capacitado para o desenvolvimento de sistemas.”

        Quando voce afirma: “mas ouso afirmar que a linguagem mais importante, nos planos profissional e pessoal, é – pasmem! – a língua portuguesa.”

        Nesse caso, dentro do contexto do seu texto voce está afirmando que é mais importante não só para desenvolvimento, mas para tudo.

        ” A palavra chave do meu artigo é importância, e não capacitação. A forma como um desenvolvedor utiliza a língua portuguesa é tal qual um cartão de visitas, que pode lhe abrir ou fechar portas.”

        Aqui você utiliza uma premisa verdadeira para chegar numa conclusão falsa, abrir ou fechar portas eu concordo que é verdadeiro ser prejudicado pela competência na fluencia da linguagem, agora isso não quer dizer que é o mais importante desenvolvimento de software por si, como seu texto frisa bem.

        “Acho muito pouco o apenas “conseguir se comunicar”. Até os animais fazem isso. Comunicar-se bem, e corretamente, nem chega a ser diferencial, é pré-requisito para o que quer que façamos.”

        Animais conseguem se comunicar como seres humanos? Essa discussão iria longe, vou pular para a segunda sentença. Comunicar bem não é somente utilizar corretamente a sintaxe, já li muita coisa em escrita que não consegue passar a mensagem claramente, fora as pessoas prolixas que enrolam.

        “Ao estudar a estrutura da língua natural – no nosso caso, a língua portuguesa – deparamo-nos com os mesmos elementos sintáticos presentes nas linguagens de computador, eis porque citei Chomsky.”

        Pera aí, estudar a sintaxe da nossa língua não é estudar linguistica, há uma diferença sustancial. Fora que a estrutura de linguagem de computadores passam por outros conceitos além da linguistica.

  3. Henrique Gogó 01/06/2010 às 11\1124

    E é por isso que eu trabalho com tecnologia, sou programador Ruby, Java e PHP e faço faculdade de Letras.
    Ora, se eu trabalho com linguagens, preciso aprender o quê? Linguagem! 😀

    • Christiano Milfont 01/06/2010 às 11\1158

      @Henrique Gogó
      Estudar linguagem não é apenas linguistica, uma parte disso é substancial, quando voce estuda compiladores voce se depara com Chomsky, mas vai além. Concordo que amplia os horizontes e eu mesmo sou um defensor da heterogeneidade de conhecimentos, mas a mensagem é justamente não se limitar a isso.

    • goncin 01/06/2010 às 13\0110

      Olá, Henrique!

      Não sei exatamente como, mas estou conseguindo reunir aqui gente que trabalha com desenvolvimento e cursa ou cursou Letras (veja os outros comentários).

      Obrigado por comentar! 🙂

  4. Rodrigo [Madrodz] 30/06/2010 às 19\0729

    Grande Fausto, excelente texto!
    Também sou dessa onda de que a primeira linguagem a ser dominada seja o português… Como moramos aqui na divisa, já viu né… acabamos puxando um ‘r’, uns ‘tamén’ e etc, mas que na maioria das vezes, encontrar alguns erros de portugues nas mensagens que existem em um programa é pior do que um erro de escrita da linguagem propriamente dita… Nada como “clientes mala” ligando pra reclamar que alguma palavra está abreviada ou escrita incorretamente… e acontece!!! rsrsrs
    Agora… quanto a linguagem de programação… Acredito piamente que devemos dominar uma linguagem sim, mas conhecer pelo menos outra (pois nunca se sabe o amanhã), mas de preferencia, dominar aquela que coloca o arroz e o feijão na mesa! (olha meu caso, até hoje programo em delphi!).
    []’s

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: